Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

SCROO

Because there's always a beast within... or just a psychotic bunny wanting to come out.

Because there's always a beast within... or just a psychotic bunny wanting to come out.

Cenas que irritam

30.11.18, A Diva do Sofá

Top 10 das cenas que mais me irritaram este ano.pn

Aproximando-se o fim deste ano de 2018 e tendo estado ausente destas lides blogosféricas, achei interessante fazer uma espécie de compilação de cenas que considerei (e ainda considero), bastante irritantes neste ano de 2018. Assim sendo, criei este pequeno Top 10 que resume algumas das minhas aflições ora diárias, ora menos diárias, mas que me deixam com vontade de ser o Jason Vorhees numa qualquer Sexta-Feira 13, tratando-se efetivamente de uma sexta-feira 13 ou não.

 

Assim sendo, deixem-me falar um pouco sobre estas opções para que possa espantar estes meus males:

 

1. Bicicletas que circulam nos passeios.

Pessoalmente, sou 100% a favor da utilização de velocípedes como meio de deslocação dentro de uma cidade e a favor da existência de vias dedicadas a estes condutores. No entanto, não sou a favor de uma selvajaria desregrada como se não houvesse um código da estrada, ao cumprimento do qual tais criaturas estão obrigadas. 

Posto isto, a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária tem um guiazinho fantástico para condutores de velocípides - vulgo bicicletas - que se chama Guia do Condutor de Velocípede e que deve ser lido antes de se lançarem num empreendimento de andar de bicicleta. Os passeios  são um espaço de circulação para peões e/ou crianças até aos 10 anos que conduzam velocípdes (a.k.a. bicicletas), desde que não ponham em perigo ou perturbem os demais peões. Quando querem atravessar passeios, desmontam da dita cuja e levam-na à mão, pois só assim é que podem ser considerados como peões. A circulação de velocípedes é feita nas vias dedicadas e/ou nas estradas. Diz o n.º 2 do artigo 90º das regras de condução constante no Código da Estrada:

 "Os condutores de velocípedes devem transitar o mais próximo possível das bermas ou passeios, mesmo nos casos em que, no mesmo sentido de trânsito, sejam possíveis duas ou mais filas."

Diz também o n.º 3 do mesmo artigo:

"Quem infringir o disposto nos números anteriores é sancionado com coima de € 60 a € 300, salvo se se tratar de condutor de velocípede, caso em que a coima é de € 30 a € 150."

Assim sendo, pessoal que conduz bicicletas nos passeios e não tem 10 anos de idade - mesmo mentalmente sintam que têm - não desatem a tocar a campaínha e/ou a circular em alta velocidade nos passeios, porque os peões têm direito e estão a circular no sítio certo, vocês é que não. Peões que andam a circular em cima das ciclovias, o vosso sítio é no passeio e não na ciclovia uma vez que não são um velocípede. Pessoal que circula de trotinete motorizada, estão sujeitos às mesmas regras dos velocípedes.

 

2. Lixo nas ruas e nas caldeiras das árvores. 

Não sei como é que é na vossa área de residência, mas em Benfica a cena é dramática. As pessoas são porcas e não têm qualquer respeito pelo espaço público. É absolutamente aterrador a quantidade de lixo doméstico - e não só - que encontramos quer nas caldeiras das árvores, quer encostado aos postes de electricidade, à beira dos ecopontos, sendo que nem os contentores amarelos da recolha de roupa escapam à imundíce que parece caracterizar o comportamento dos freguêses de Benfica e que dão um um sentido literal ao proverbial "mete nojo". Isto é, os fregueses de Benfica, não só, contribuem para a sua freguesia meter nojo, como também, contribuem activamente para comprometer a saúde pública. Aqui, não vale tecer insultos à Junta de Freguesia, porque a Junta de Freguesia - independentemente da sua cor política - não é responsável pelo comportamento individual dos seus habitantes. Os próprios são responsáveis pelos seus comportamentos e uns não têm de estar a levar com a porcaria dos outros. É assim, querem fazer porcaria? Na boa, é um direito que vos assiste... em vossa casa e no vosso espaço privado. Em espaços públicos e espaços comuns, não é boa onda e é uma falta de respeito gigantesca. 

 

3. Transportes Públicos. 

Os transportes públicos em Lisboa devem ser a principal razão pela qual toda a gente anda de carro nesta cidade. Parafraseando o meu marido:

"They come when they come and if they come

Os transportes públicos dentro da cidade são unreliable. Ou seja; não são confiáveis porque aparecem quando aparecem e se aparecerem. 

 

4. A Directiva Europeia do Copyright. 

Este assunto, especificamente, dá um post por si só e por isso não me vou alongar muito naquilo que me causa irritação. Vou apenas dizer que é uma Directiva estúpida e imbecil, patrocinada por velhos do restelo. Nota: o termo é da autoria do Luís Vaz de Camões e é referênciado nos Lusíadas, talvez ele me venha a processar por utilização abusiva do mesmo e pode ser que eu esteja bem disposta e lhe envie, à laia de resposta, uma fotografia de um bonequinho das Caldas, retirada do Google ou de outro sítio qualquer dependendo do meu estado de espírito na altura. Por outro lado, também pode ser que me passe pela cabeça responder-lhe com os excertos mais apropriados da obra de Gil Vicente - O Auto da Barca do Inferno - se a minha disposição estiver mais virada para a literatura clássica, ou com excertos de canções dos Slipknot, dos Five Finger Death Punch, dos Ach Enemy ou dos Soulfly se estiver ligeiramente mais agressiva. 

 

5. Canais generalistas de T.V em Portugal 

São uma aberração, sendo que - na prática - nem as notícias escapam. Não só é muito raro eu ver televisão, como ainda quando calha a ter alguma curiosidade sobre o que é que se está a passar, tenho um azar do caraças e aparece-me um programa qualquer que não tem ponta por onde se lhe pegue. O último em que tropecei foi uma cena qualquer no qual umas criaturas parece que se casaram com outras criaturas que não conheciam de lado nenhum... ??????... Estive 3 dias a tentar perceber o que é que era aquilo e mesmo assim, não consigo perceber porque é que fizeram um programa de televisão sobre isso. Não sei se têm algum sentimento saudosista e se estão a tentar reconstruir práticas de um passado histórico, que até eram bastante comuns, mas evitando alguns aspectos mais polémicos da coisa relacionados com a consanguinidade, porque isso era capaz de dar merda junto das audiências mais conservadoras que ainda consomem esse tipo de lixo. É como vos digo, não entendo e não percebo.

 

6. Gente estúpida em geral.     

É exactamente o que o nome indica. A estupidez generalizada incomoda-me e o analfabetismo funcional também. Parafraseando um professor meu de Gestão de Inovação:

"A estupidez é um direito, não uma obrigação"

O problema é que parece que há muitos a exercerem esse direito.

 

7. Gente que passeia cães sem trela na via pública.

E que, automaticamente, também se torna elegível na categoria anterior. 

Diz a legislação Portuguesa sobre este assunto:

"A circulação de cães e gatos na via pública ou outros locais públicos sem coleira ou peitoril, nos termos do disposto no n.º 1 do artigo 7.º, do Decreto-Lei n.º 314/2003, constitui contra-ordenação, punível pelo presidente da junta de freguesia da área da prática da infracção, com coima cujo montante mínimo é de € 25 e máximo de € 3740 ou € 44 890, consoante o agente seja pessoa singular ou colectiva, salvo se sanção mais grave não lhe for aplicável por legislação especial (vd. art.º 17.º do DL 312/203); (cfr. art.º 14.º, n.º 1, alínea c), do Decreto-Lei n.º 314/2003, de 17 de Dezembro)."

E diz também:

"A falta de açaimo funcional ou trela, nos termos do disposto no n.º 2 do artigo 7.º, do Decreto-Lei n.º 314/2003, constitui contra-ordenação, punível pelo presidente da junta de freguesia da área da prática da infracção, com coima cujo montante mínimo é de € 25 e máximo de € 3740 ou € 44 890, consoante o agente seja pessoa singular ou colectiva, salvo se sanção mais grave não lhe for aplicável por legislação especial (vd. art.º 17.º do DL 312/203); (cfr. art.º 14.º, n.º 1, alínea b), do Decreto-Lei n.º 314/2003, de 17 de Dezembro)."

Conclusão, não só os nossos amiguinhos de 4 patas não podem circular na rua sem trela, como também a Junta de Freguesia de Benfica ainda não se deu conta que tem aqui uma fonte de rendimento extra, já que em Benfica também há muitos fregueses que passeiam os seus bichitos sem trela porque são calminhos e não fazem mal. 

 

8. Luzes pseudo-inteligentes nas casas-de-banho.

São um desatino, é só o que vos digo. A malta ter de fazer as suas necessidades em função do tempo determinado pela luz é de bater em alguém.

 

9. Especulação Imobiliária.

Foi a desgraça da economia em 2010 e pelo caminho que isto está a levar, está a preparar-se para o ser novamente. Não há cú suficiente para os disparates que se estão a praticar, em Portugal, no que respeita a este domínio.

No passado mês de Outubro estive em Hamburgo e durante um programa social, que envolvia um sighteseeing tour pela cidade e arredores (i.e. o Porto de Hamburgo), passámos por uma zona residêncial. A determinado momento diz a mocinha:

"This is a very good and luxurious place to live, but with very high rents that not even the germans of Hamburg can afford. The rent is very expensive, around 1.500,00€ per month."

???????????????????....

Eu e a minha colega olhámos muito seriamente uma para a outra e de seguida desatámos a rir porque, obviamente, aquela criaturinha germânica e porventura simpática ainda não passou pela experiência de tentar arrendar um apartamento em Lisboa, sem metade das condições daqueles apartamentos em Hamburgo.

 

10. Má condução e Road Rage em Portugal.

Em Portugal conduz-se mal. Na generalidade os condutores têm um comportamento perigoso, irresponsável e incumpridor que coloca em causa a segurança pessoas. Não só têm este tipo de comportamento, como também, depois de fazer a merda ainda têm o desplante de reclamar porque acham que têm razão. O tipo de condução praticada em Portugal não é segura e esta é talvez uma área à qual se devesse prestar mais atenção.